• Blog
  • by
  • 7 de abril de 2017
  • 153
  • 0

Vocês estão carecas de me ouvirem falar da importância que existe na Segurança do Paciente e em como precisamos nos informar e fortalecer para sempre trazer melhorias neste campo para os pacientes.

Como é essencial que os médicos sigam os protocolos determinados pelas sociedades Nacionais e Internacionais e como os pacientes devem obedecer e entender todas as demandas que indicarmos ao iniciarmos os processos para a operação que será feita, certo? Certo!

Hoje falo de uma das implementações de segurança que considero como de grande importância para o mundo médico, principalmente para o de Cirurgia Plástica, ainda recente, mas que tem sido fortemente integrada dentro de hospitais de todo o Brasil: o Protocolo Internacional de Prevenção à Trombose.

Esse protocolo vem para prevenir o surgimento de complicações pós-operatórias como a TEV, que é a tromboembolia venosa, e suas condições pioradas: a TVP, tromboembolia venosa profunda e a embolia pulmonar.

Mas o que é trombose?

A trombose é uma complicação que acomete uma porcentagem de pacientes acamados e recém-operados e pode ter sua origem em causas diversas – desde genética até de estilo de vida – como frequência de exercícios, peso, fumante ou não, etc. E pode ser letal na maioria dos casos.

Como o próprio nome diz, a trombose é quando se tem a formação de um trombo nas veias – um coágulo de sangue, geralmente na região das pernas, que se forma, podendo obstruir a passagem de sangue – o que causa inchaço na região e sensação de dor.

Esse coágulo pode se desprender, e aí está um grande problema – ele cai na corrente sanguínea, no processo que chamamos de embolia, podendo ficar preso no cérebro, pulmões, coração e em outras áreas.  

 

Hoje no Brasil há um esforço cada vez maior dentro dos hospitais para que os pacientes corram menos e menos o risco de trombose, com exames mais cuidadosos – mas a melhor fonte de tudo isso é a prevenção, não é mesmo?

A telemedicina já é uma realidade, agende sua consulta com o Dr. Adriano Medeiros!

Com o Dr. Adriano Medeiros, você é atendido por vídeo ao vivo e pode tirar dúvidas sobre atendimentos e fazer acompanhamentos! Esse atendimento acontece na nossa plataforma exclusiva, um consultório virtual que você acessa pelo seu celular ou computador.

A telemedicina oferece uma gama de benefícios, dentre eles podemos citar:

  • Encurtar a distância;
  • Economizar tempo;
  • Rapidez;
  • Economia;
  • Acessibilidade;
  • Exclusividade.

A prevenção de trombose e a Cirurgia Plástica.

No campo da cirurgia plástica, a discussão é cada vez mais frequente e recentemente foi-se adotado um protocolo de prevenção à trombose para a segurança do paciente, que o classifica em três graus: pequeno, médio e grave – recomendando medidas clínicas farmacológicas ou não, ou seja, podendo ou não serem utilizados remédios para a prevenção – geralmente há a combinação dos dois procedimentos.

E também permitindo ou não que o paciente se submeta a cirurgias plásticas de grande porte dependendo do risco que ele possa apresentar diante os resultados dos exames apresentados.

Duas das medidas tomadas pelos cirurgiões e sua equipe durante a operação ocorrem durante e após toda e qualquer cirurgia e independem do grau de tendência da paciente em ter trombose, que é nas formas que a equipe tem de reativar a circulação da paciente durante a cirurgia, como através de flexões de pés e panturrilhas, assim como massagens, e na adoção de meias de compressão pela paciente durante seu período pós-operatório.

Por isso a importância de se ter uma equipe médica durante qualquer operação, não é mesmo?

As demais medidas se referem a exames tomados pela paciente no pré-operatório, que determinam o grau de sua tendência a ter ou não trombose, na qual avaliamos o seu estilo de vida e fatores genéticos, assim como tamanho da cirurgia e tempo levado na operação, os quais influenciam nas chances de se ter ou não um caso de trombose.

Alguns grupos de pacientes podem ser rejeitados para realizações de cirurgias caso tenham alto risco aliado com fatores comportamentais e genéticos, outros casos mais leves talvez tenham apenas que passar por períodos de tratamento ou utilização de medicamento para que possam passar pela cirurgia, tudo dependerá da pontuação final.

Lembrando sempre que: Nada, absolutamente nada, vale mais do que a sua segurança e saúde. Por isso nós, médicos, criamos todas essas medidas e protocolos: Para que os pacientes tenham os resultados esperados e estejam sempre seguros em nossas mãos.

 

Quer ler mais sobre Segurança do Paciente? Neste link tenho uma ótima matéria sobre o assunto, onde abordo o Score Médico e demais medidas de pontuação para pacientes.

E aqui você confere o artigo oficial da Revista Brasileira de Cirurgia Plástica sobre o Protocolo Internacional de Prevenção à Trombose, para uma leitura mais aprofundada.

Quer receber conteúdos exclusivos e todas as minhas novidades direto na sua caixa de mensagem? Aos sábados solto um e-mail especial, com todos os conteúdos da semana para minhas assinantes. Para fazer parte da minha Lista Premium, inscreva-se clicando aqui![:]

Adicionar comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

pt_BRPortuguese